Utilização de Melaço-de-cana na nutrição de Cannabis sativa

Utilização de Melaço-de-cana na nutrição de Cannabis sativa“por Augusto Grower e Fernando Santiago

Introdução à Nutrição

A nutrição de plantas é uma área essencial no cultivo de plantas, a qual estuda o complexo de nutrientes presentes no solo/planta e suas relações. O entendimento da nutrição é complexo e requer compreensão de vários processos, como fisiológicos: captação de nutrientes pelo sistema radicular ou foliar; transporte de seiva bruta pelo xilema; distribuição de fotoassimilados (nutrientes sintetizados) pelo floema.

Nesse aspecto, entender os aspectos nutricionais irá auxiliar a manter uma planta otimamente equilibrada, gerando um maior suporte contra estresses, doenças e pragas e por fim, chegar próximo do teto produtivo referente a aquele potencial genético.  Dentre as várias opções nutricionais, o melaço-de-cana é mais um fertilizante que pode colaborar no rendimento produtivo final. Ele é uma grande fonte de açúcares (carboidratos) e atua ativamente no processo da “síntese da photo” (H2O + CO2 + luminosidade + nutrientes). 

É importante ressaltar que os carboidratos são essenciais para todos os estádios fenológicos da planta, onde os transformam em energia química (fotoassimilados – açúcares sintetizados), estando envolvidos no desenvolvimento de todos os órgãos vegetais, desde o sistema radicular a formação e enchimento de flores.  

melaço-de-cana
Figura 1. Strain: Blueberry/80% indica (linhagem ascendente – DJ Short®) Créditos de imagem: Augusto G. & Fernando S, 2022.

Figura 1. Planta feminina em R3 (pleno florescimento) e os principais nutrientes constituintes do melaço: 

  • K (potássio – macronutriente primário): eleva a translocação de água e carboidratos para os tecidos vegetais em demanda; enchimento de flores (densidade pela hipertrofia de células pertencentes a tecidos florais); resistência a insetos e patógenos;
  • Mg (magnésio – macronutriente secundário): elemento central da molécula de clorofila (pigmento fotossintetizante), o qual é altamente demandado na fase vegetativa;  
  • Ca (cálcio – macronutriente secundário): formação de novos tecidos (gemas/meristemas) vegetativos e florais; estruturação da parede celular das células;
  • Fe (ferro – micronutriente): atua no desenvolvimento radicular; ativador de enzimas (frutose-1,6-bisfosfato; frutose-6-fosfato; glicose-1-fosfato; entre outras), possuindo efeito catalisador (acelerador) da fotossíntese;   
  • Cu (cobre – micronutriente): elemento que auxilia na defesa da planta a fungos e bactérias fitopatogênicas; participa ativamente da respiração vegetal;
  • Se (selênio – micronutriente): efeito antioxidante para as plantas, reduzindo os prejuízos de diversos estresses (estresse térmico; fitotoxicidades; estresse hídrico; estresse por luz; entre outros);

Versatilidade do Melaço-de-cana

Quanto à época de utilização, o melaço possui uma ampla versatilidade fenológica, podendo ser usado no vegetativo e também nos estádios de floração, onde a maioria da demanda de carboidratos já sintetizados são translocados para as flores (via floema – seiva elaborada). Quando utilizado na flora, o melaço intensificará a produção de moléculas específicas, como os metabólitos secundários: cannabinóides, terpenóides, compostos fenólicos, entre outros. 

O “sugarcane- moaless” também é um grande ativador da vida microbiana do solo, promovendo o desenvolvimento de vários microrganismos benéficos e simbiontes as plantas, como bactérias e fungos micorrízicos (predominantemente arbusculares).

O incremento populacional desses organismos auxilia na manutenção da qualidade biológica, física (aeração e oxigenação) e química do solo (exemplo: descomplexação de fósforo no solo), onde por fim vai influenciar postivamente na captação e fluxo de sais minerais pelo sistema radicular, gerando uma cascata de reações co-ligadas: arranque de planta (vigor); aumento do calibre radicular (melhor absorção de nutrientes pela vascularização); alta formação foliar (vegetativo); intensa formação e enchimento de flores. 

Além da plasticidade fenológica e ativador microbiano, o melaço é um fertilizante com alto poder quelatizante (se complexa a outros nutrientes, formando quelato) e dessa forma tem um efeito carreador (transportador) de outros elementos presentes no solo, gerando um “boom” de nutrientes translocados para a realização da fotossíntese.

melaço-de-cana
Figura 2. Ação quelatizante do melaço-de-cana, complexando outros elementos e carreando no fluxo vascular da planta. Conforme imagem, na ação de duplo carreamento, o(s) elemento(s) constituintes do melaço são unidos a elemento(s) presentes no solo, sendo transportados de forma otimizada por toda a planta.

Formas de Utilização

Existem várias formulações no mercado, mas visando qualidade, o mais indicado é o melaço preto (sem enxofre), o qual tem um aspecto bem escuro e possuir riqueza em diversos nutrientes. Após a escolha ideal, o fertilizante pode ser manuseado e utilizado das seguintes formas:  

Rega com melaço diluído (via-solo)

1) Utilizar um regador com água morna; 

2) Colocar 4 a 5 ml de melaço por litro de água; 

3) Aplicar a solução 1 a 2 vezes por semana, tanto em estádios vegetativos quanto reprodutivos (atentar apenas a concentração na floração, que deve ser maior); 

*Para plantas em floração, a dosagem é de 8 a 10 ml de melaço por litro de água, para promover maior enchimento (densidade) de flores e manter uma boa qualidade de terpenos e cannabinóides; 

*É aconselhável observar se não está havendo exageros nas adubações, inclusive com melaço-de-cana. Se houver algum sintoma característico de fitotoxicidade nutricional, é aconselhável suspender o uso do melaço ou algum outro fertilizante em que se tenha suspeita da causa;

Melaço seco (via-solo)

1) Utilizar 500 gramas de melaço para cada 4 – 6 m² de solo;

2) A adubação de base deve ocorrer no inicio do cultivo;

3) A adubação de manutenção deve ocorrer no inicio da floração (flipagem);

*O melaço seco é uma mistura de grãos encharcados com melaço;    

Spray/Pulverização (via-foliar)

1) Colocar um litro de água morna em um borrifador; 

2) Adicionar um quarto de colher-de-chá (aproximadamente 1,25 ml) de melaço no borrifador; 

3) Misturar bem a solução; 

4) Pulverizar intensamente nas folhas (faces abaxiais e adaxiasi) das plantas; 

5) Aplicar uma vez a cada duas semanas durante todo o ciclo; 

*Os spray´s foliares fornecem nutrientes diretamente na via-foliar, onde há penetração do produto pela epiderme (certa translocação mesostêmica – ultrapassa as faces) e pelos estômatos (estruturas de abertura presentes marjoritariamente nas folhas, onde geralmente tem abertura plena as 9 da manhã).

Tudo isso ajuda ao cultivador resolver deficiências nutricionais mais localizadas (sem muita translocação do produto); *Este modo de utilização também auxilia no controle de insetos, como: pulgões/afídeos, moscas-brancas (Bemisia tabaci) e percevejos (ordem Heteroptera).

melaço-de-cana
Figura 2. Earth Juice® (Melaço para Plantas – formulação: Plant Food 0-0-1). A Earth Juice é a empresa pioneira na produção de melaço-de-cana (sugarcane-molasses) para a cultura da cannabis (Cannabis sativa). Créditos de imagem: Earth Juice, 2022.

Especificidades no Uso

É válido conhecer algumas especificidades de uso do melaço, como as seguintes: 

  • Existem vários produtos no mercado com mistura de açucares provenientes de outras fontes, como beterraba, açúcar comum e corantes artificiais (pouca qualidade nutricional), os quais alteram a entrega dos nutrientes para a C. sativa
  • Os produtos genéricos de melaço geralmente possuem o conservante dióxido de enxofre (SO₂). Algumas empresas adicionam esse composto químico para combater bactérias e outros microrganismos oportunistas, que apodrecem e diminuem a vida de prateleira do produto. Porém, o SO₂ não é seletivo e afeta toda comunidade microbiana do solo, gerando um desiquilíbrio no sistema de cultivo;
  •  O melaço sulfurado pode alterar uma das principais propriedades organolépticas (sabor) da C. sativa, onde pode surgir um sabor químico e desagradável. Nesse sentido, sempre é recomendável utilizar melaço sem enxofre na fórmula; 
  • O melaço pode ser utilizado com vários blend´s de substratos, solos e também na hidroponia; 
  • Alguns cultivadores questionam por que não utilizar o mel-de-abelha ao invés do melaço-de-cana. No caso, o mel possui contém uma quantidade desbalanceada de açúcar e dependendo, pode funcionar apenas como enraizador de clones. No entanto, o melaço possui um complexo de nutrientes além dos açúcares, que irão prover densidade e qualidade fitoquímica das flores; 
  • Como mencionado, o melaço ajuda na manutenção da população microbiana já existente no solo. Porém, também podem ser adicionadas as rizobactérias (bactérias que geram associação benéfica com as raízes) no solo para um melhor resultado biológico.  

Considerações Finais

O melaço é um ótimo fertilizante para auxiliar no sistema de nutrição do cultivo, podendo ser utilizado em adubações de base e manutenção. É indicado utilizá-lo como fertilizante reforço, o qual ajudará a planta no arranque, desenvolvimento vegetativo e também na formação de tecidos e enchimento de flores.

Além disso, o melaço é muito relatado como um acrescentador de qualidade em várias propriedades organolépticas das flores, como: aumento da concentração de terpenos (paladar e olfato); densidade e aparência de flor (visão). Entre tanto benefícios, os cultivadores mais exigentes com o produto final, tem no uso do melaço-de-cana uma ferramenta para gerar melhoras sutis, porém significantes na qualidade dos Bud´s. 

Referências Bibliográficas

FASUYI A., O.; DAIRO, F., A., S.; IBITAYO F., J. (2010) Ensiling wild sunflower (Tithonia diversifolia) leaves with sugar cane molasses. Department of Animal Production and Health Sciences, Faculty of Agricultural Sciences, University of Ado-Ekiti,P.M.B. 5363, Ado-Ekiti, Ekiti State, Nigeria, PP. 10. 

FENERICK, D. C.; SIPAÚBA-TAVARES L., H. (2020) Avaliação do crescimento da microalga Messastrum gracile em meios de cultura comercial e alternativo utilizando melaço de cana-de-açúcar em menor comprimento de luz. Ciência & tecnologia, [s. l.], v. 12, n. 1, P. 60 – 65.

MALAVANH, C.; PRESTON, T., R.; OGLE, B. (2008) Ensiling leaves of Taro (Colocasia esculenta (L.) shott) with sugar cane molasses. Livestock Research for Rural Development 20 (supplement) http://www.lrrd.org/lrrd20/supplement/mala1.htm

RIBEIRO, J., M.; MELO, N., F.; COELHO A., K., N., S.; PINTO, M., S., T. (2012)  Efeito do melado de cana-de-açúcar no desenvolvimento in vitro de bananeira (Musa spp.) cv. Maçã1. Rev. Ceres, Viçosa, v. 59, n.3, P. 293 – 298.

SAMAVAT, S.; SAMAVAT, S. (2014) The effects of fulvic acid and sugar cane molasseson yield and qualities of tomato. Soil & Water Research Institute, Karaj/Iran, Department of Chemistry, Faculty of Science, Islamic Azad University, Karaj branch, Iran. Intl. Res. J. Appl. Basic. Sci. Vol., 8 (3), P. 266 – 268. 

TAKARA, K.; USHIJIMA, K.; WADA, K.; IWASAKI, H.; YAMASHITA, M. (2007) Phenolic compounds from sugar cane molasses possessing antibacterial activity against cariogenic bacteria. Journal of Oleo Science, 56, P. 611 – 614.

https://hightimes.com/sponsored/importance-molasses-cannabis-plant-growth/ Acesso em 06/04/2022.

https://www.royalqueenseeds.com/blog-molasses-an-excellent-supplement-for-cannabis-plants-n1148 Acesso em 06/04/2022.

Deixar uma resposta