Categoria Usuário Livre

4 verdades mal contadas sobre cannabis medicinal e salvo-conduto

cannabis medicinal
O texto aborda a fase de transição e abertura do mercado de cannabis medicinal no Brasil, destacando o potencial terapêutico da planta e a confusão existente sobre os direitos dos usuários, especialmente em relação a habeas corpus e salvo-conduto. Ele explica que, devido ao processo de construção das regulamentações, há muita desinformação. As normativas da Anvisa, como as RDCs 327 e 660, são apontadas como essenciais para possibilitar o acesso aos produtos de cannabis, exigindo uma série de procedimentos burocráticos que precisam ser seguidos por todos na cadeia produtiva. O post visa esclarecer as principais confusões sobre o uso medicinal da cannabis, enfatizando a importância da receita médica e do cumprimento das normas. Aborda também o papel das associações medicinais, o processo de judicialização para o cultivo coletivo e a diferença entre habeas corpus e salvo-conduto, ressaltando que este último não representa uma autorização ilimitada de cultivo. Finalmente, destaca a necessidade de estar bem informado sobre os direitos e participar de comunidades de apoio como o Grupo Usuário Livre para navegar com segurança neste novo cenário.

História da maconha no Brasil

História da maconha no Brasil

A droga mais polêmica do mundo tem uma história milenar e foi utilizada por diversos povos, com diferentes finalidades, ao longo do tempo. Hoje, a planta é considerada ilegal, com algumas ressalvas, mas nem sempre foi assim. De origem asiática,…

DF é o número 1 em uso de cannabis medicinal no Brasil

mulher-tomando-cafe-usuario
Saiu hoje, dia 06 de dezembro de 2021, uma matéria no Correio Braziliense falando que o Distrito Federal tem o maior número de pacientes do Brasil autorizados pela ANVISA para importar produtos derivados do CBD (Canabidiol) para uso medicinal. Em novembro de 2021, a ANVISA adotou mais uma medida para agilizar a importação de produtos à base de cannabis por pessoa física. A aprovação, que antes era de 30 (trinta) dias, passa a ser automática desde que, o paciente deseje importar algum dos produtos da lista predefinida pela ANVISA.