Proibição de anúncios prejudicam negócios canábicos

O conservadorismo dos algoritmos das redes sociais, em especial do grupo Meta (responsável pelo Facebook e Instagram), se torna um obstáculo para empresas que trabalham com cannabis, direta ou indiretamente. 

Até nos Estados Unidos, em que o cânhamo pode ser utilizado em produtos há décadas e com a autorização do cultivo em 2018, há proibição de anúncios. No Brasil as regras são tão rígidas quanto. 

A proibição de anúncios prejudica a capacidade de encontrar novos clientes e expandir os negócios. Até empresas que vendem produtos relacionados também sofrem com essa restrição. Entenda melhor como a proibição de anúncios prejudicam negócios canábicos e como é possível contornar o algoritmo. 

Como funciona a proibição de anúncios

Aqui no Brasil, a Anvisa publicou uma nota, por meio do Diário Oficial, dizendo que está fiscalizando os sites que vendem produtos à base de cannabis no Brasil e que proíbe propagandas de produtos derivados da planta. Isso fortalece ainda mais o sistema de bloqueio das redes sociais. 

Mas engana-se quem pensa que a proibição de anúncios seja aplicada apenas aos que defendem o uso recreativo da cannabis. Organizações sem fins lucrativos em prol da cannabis medicinal, além de empresas e iniciativas que já atuam nesta área, estão na mira da plataforma, que tampouco oferece informações detalhadas sobre os motivos por trás dos bloqueios. 

wtf-usuario_livre_camiseta-branca

Até grow shops, lojas especializadas em artigos para cultivo, e head shops, especializadas em produtos relacionados ao uso de cannabis e lifestyle canábico, também podem sofrer com as restrições das redes sociais. 

Essa medida prejudica, principalmente, os pequenos e médios empreendedores, que utilizam as redes sociais para divulgar suas empresas e conseguir entrar na bolha das grandes empresas. 

81% dos usuários do Instagram, por exemplo, usam a plataforma para procurar novos produtos e serviços e 90% deles seguem ao menos uma marca. E a plataforma está cada vez incentivando a compra e oferecendo funções como as compras direto no aplicativo. 

Muito além da proibição de anúncios

Não é só a proibição de anúncios que afeta os negócios. A entrega orgânica também pode ser afetada e muitos deles chegam a ter as contas bloqueadas e excluídas da plataforma, perdendo anos de trabalho, conteúdos e seguidores. 

Com muita insistência e alguma sorte, alguns perfis são restabelecidos na rede, mas nem todos. Embora não haja uma fórmula certa que garanta o desbloqueio, algumas tentativas podem ser úteis: 

  • Contate o serviço de atendimento dentro do prazo estipulado para explicar sobre a arbitrariedade do bloqueio e solicitar a restituição do perfil;
  • Peça para que sua base fora do Instagram e perfis parceiros dentro da rede comuniquem o Instagram sobre o bloqueio do perfil em questão. Isso pode ser feito em configurações > ajuda > relatar um problema.
  • Inicie uma campanha para a recuperação do perfil com uma hashtag que simbolize a ação e espalhe.
política-privacidade-usuário-kunk-club

Como divulgar com a proibição de anúncios

No Instagram, é comum que projetos relacionados à cannabis tenham um perfil reserva para o caso de bloqueio da conta principal na rede. Apesar de ser um bom plano B, ele não ameniza a perda da audiência e de conteúdo construído, com dedicação e esforço, ao longo do tempo. 

E ainda assim não é possível atingir novos públicos. Uma saída para esse problema é usar influenciadores 420. São influenciadores de massa ou de nicho que podem ajudar a empresa a sair da bolha mesmo com a proibição de anúncios. 

Hempreendedorismo

Eles fazem parte do lifestyle canábico e se propõem a divulgar marcas relacionadas às plantas em suas redes sociais. Dessa forma, a empresa consegue burlar o algoritmo e alcançar mais usuários. Os influenciadores 420 também ganham para divulgar, todos saem ganhando. 
Aqui na Kunk.Club, reunimos influenciadores 420 que tenham interesse em divulgar e ajudar empresas canábicas. Se quer se candidatar ou contratar influenciadores, manda uma mensagem para a gente.

Deixar uma resposta