Inteligência de Dados no Mercado Canábico

O uso da Cannabis no Brasil ainda é ilegal. Mas isso não impede que empresas canábicas consigam nascer, e crescer, por aqui. Um exemplo é a Kaya Mind, empresa de inteligência de dados que encontrou na Cannabis um nicho ainda não explorado e conseguiu se destacar no mercado. 

Entrevistamos a Maria Eugenia Riscala, CEO e co-fundadora da Kaya Mind para o Kunkcast. Aqui, reunimos as principais informações sobre a importância da inteligência de dados no mercado canábico, o impacto da Kaya Mind no mercado e como a inteligência de dados pode facilitar a vida de quem quer construir um negócio canábico seguro e lucrativo. 

No final do artigo você pode conferir o episódio completo! 

O que a Kaya Mind faz

A Kaya Mind transforma informações e dados em insights e análises para o setor da cannabis, cânhamo e seus periféricos a partir de metodologias quantitativas e qualitativas. Eles auxiliam usuários, profissionais, negócios e governos a compreenderem o mercado através de três soluções: 

  • Kaya Reports: dados relevantes e inéditos do meio que exploram novas perspectivas e tendências do mercado da Cannabis;
  • Kaya Board: uma nova forma de visualizar e interagir com indicadores chave no setor e seus mercados afiliados; 
  • Kaya Research: orientação estratégica e desenhada de acordo com a necessidade de cada negócio para garantir o entendimento do problema e a melhor solução. 

Os números podem mostrar um pouco do tamanho do impacto da empresa no mercado e da importância de se ter uma inteligência de dados voltado para o mercado canábico. Eles monitoram o preço de mais de mil produtos à base de Cannabis,  cobrem 250 veículos de mídia, 150 ações e fundos de investimento e já captaram mais de 24 mil pesquisas científicas no ramo. 

Início da Kaya Mind

A Maria Eugenia já teve contato com a Cannabis, mas somente com uso adulto. Um dia ela encontrou um lip balm (uma espécie de manteiga de cacau) à base de cânhamo. 

A partir daí ela começou a pesquisar e se interessar pelo mercado canábico. No meio das pesquisas, ela percebeu que faltavam dados e que não havia nenhuma empresa de inteligência de dados sobre o mercado canábico. Foi aí que surgiu a Kaya Mind. 

Inteligência de dados no mercado canábico

Além da falta de dados, os que estavam disponíveis estavam incorretos, na maioria deles. Não havia uma empresa de inteligência de dados que mostrasse como foi feita a pesquisa, nem constância na observação dos dados. 

A Maria Eugenia dá um exemplo na entrevista de uma pesquisa que perguntou aos entrevistados se fumavam maconha e 7% respondeu que sim. Quando perguntaram se conheciam alguém que fumava, a resposta subiu para 94%. A conta não bate e não há interesse em ir atrás dos dados corretos. 

Para quem vai investir no mercado canábico, principalmente para empresas estrangeiras, esses dados são essenciais. Não podemos falar em legalização e em criar um mercado brasileiro de produção e exportação sem conhecer o público e o potencial de mercado que nós temos. 

Futuro do mercado canábico

Um dos pontos que a Maria Eugenia traz sobre o futuro do mercado canábico é o cânhamo. Essa é uma planta que pertence à espécie Cannabis sativa, assim como a maconha, mas que tem um baixo teor de THC

Quando legalizado, o cânhamo pode ser usado na fabricação de biocombustíveis, óleo, resinas, têxteis, papel, cerveja, entre outros. Basicamente, tudo que é feito com petróleo pode ser feito com cânhamo, e ainda é possível usá-lo para na área alimentícia e fibras. 

A CEO da Kaya Mind diz que o cânhamo pode ser uma porta para a legalização, já que não entra dentro do debate dos efeitos psicoterápicos da Cannabis. Ela também fala sobre os impactos que a indústria canábica pode trazer com a captação de impostos. 

Assista à entrevista completa

Você pode conferir a conversa completa no vídeo abaixo e saber mais sobre inteligência de dados no mercado canábico: 

Deixar uma resposta