Aspectos fisiológicos e particularidades da floração de Cannabis sativa

Aspectos fisiológicos e particularidades da floração de Cannabis sativa” por Vítor Grower e Fernando Santiago

Conhecer o ciclo da espécie vegetal que se tem interesse em cultivar é de suma importância, onde o detalhamento de cada estádio fenológico da planta faz toda a diferença na produtividade. Nesse sentido, as particularidades na floração são bastante importantes e muitos cultivadores acreditam que qualquer desordem que ocorra nesse período, a planta está com algo “errado” e isso não é verídico.

Faz parte do próprio ciclo da planta (principalmente nos estádios reprodutivos) ter algumas desordens, pois todo o foco nutricional dela está direcionado para a produção de flores (estão aumentando e qualificando as estruturas reprodutivas femininas para receberem o pólen da planta macho), para assim ocorrer toda a manutenção da progênie através da produção de sementes. 

Crescimento vegetativo x floração

Para entendimento do ciclo, podemos dividir a vida da planta em duas grandes etapas: o crescimento vegetativo e a floração. Na época de floração, quando inicia a formação dos primeiros botões florais, os novos tecidos (que anteriormente eram foliares) sofrem conversões. A conversão do meristema caulinar vegetativo em estruturas reprodutivas é um evento dramático e enigmático no ciclo das plantas vasculares, e no caso específico da Cannabis sativa, está intimamente relacionado com a alteração do regime de fotoperíodo (indução de floração: 12/12*, com a ação dos pigmentos fitocromos R**) (Figura 1).

Posteriormente a estimulação pelo fotoperíodo, a indução floral refere-se às reações que sinalizam à planta da alteração do seu “programa” de desenvolvimento, e uma dessas reações é a ação do pigmento proteico fitocromo R (pigmento com coloração azul). Como consequência, o meristema caulinar se reestrutura para produzir um primórdio floral ao invés de um primórdio foliar. A produção floral acontece comumente nos locais onde iria ocorrer a formação de novas folhas (Figura 2). 

*12/12: 12 horas de luz/12 horas de escuridão; 

**Os fitocromos R são pigmentos protéicos de coloração azul, responsáveis for absorver luz vermelha. O fitocromo é acumulado na planta quando há uma mudança de fotoperíodo, com mais horas de escuridão (exemplo: 12/12).

floração de Cannabis sativa
Figura 1. Fotoperíodo variando de acordo com a latitude, onde a Cannabis sativa é uma planta de dia curto (PDC). Em cultivo outdoor, a C. sativa é preferencialmente indicada para baixas latitudes, onde regiões próximas à linha do Equador são as mais indicadas. Caso a C. sativa seja cultivada em latitudes mais altas, o produtor terá que adequar o cultivo, como calendarizar uma longa época vegetativa (verão – longas horas de luz), até que inicie o outono (começo de floração – início de alteração 12/12) e maturação plena de flores (inverno – 12/12). Créditos de Imagem: Embrapa.  
floração de Cannabis sativa
Figura 2. Cortes longitudinais evidenciando (esquerda para direita): meristema vegetativo; meristema floral em início de formação (média diferenciação celular); meristema floral em estágio avançado (alta diferenciação celular). Créditos de imagem: Zaidan, 1987.

Diante de todas essas alterações fisiológicas e consequente produção de novos tecidos florais, várias mudanças também são observadas visualmente e é válido ressaltar que a grande maioria das Strains passarão por esses “momentos” e que são ocasiões comuns.

Entretanto, o cultivador não deve se preocupar em demasia e compreender que as “anormalidades” fazem parte do ciclo da planta e que por ela se encontrar em estádios de florescimento, a mesma se prepara para a senescência (morte). Algumas manifestações que a planta geralmente evidenciará na época de floração são: 

  • Deficiências nutricionais podem ser mostradas nas folhas, porém é recomendável a manutenção dos níveis adequados de nutrientes específicos (exemplos: P e K), para haver um adequado enchimento das flores; 
  • Amarelecimento de folhas (os fotoassimilados na época da floração estão sendo translocados para a produção de flores). É comum ocorrer deficiência de N nas folhas, onde esse nutriente não é altamente demandado na floração (Figura 3); 
  • Pode ocorrer desfolha natural, dependendo da maturação que o cultivador deseja (quanto mais dias de ciclo, mais proximidade com a senescência da genética e maior nível de desfolha);
  • Devido à planta estar mais debilitada nos estádios de floração, é comum ocorrer maior suscetibilidade a patógenos e insetos/aracnídeos. Nesses casos, dependendo da quantidade de inóculo (patógeno) ou população (inseto/arcanídeo) pode ser necessário entrar com o controle. 
floração de Cannabis sativa
Figura 3. Plantas apresentando amarelecimento foliar. Nesse estádio fenológico, as plantas se encontram com alta maturação das flores (proximidade de colheita), onde por volta das últimas 8-10 semanas do ciclo, o destino dos fotoassimilados foram os tecidos florais. Créditos de Imagem: High Times.

Referências bibliográficas

AMADUCCI, S.; COLAUZZI, M.; BELLOCCHI, G.; VENTURI, G. (2008) Modelling post-emergent hemp phenology (Cannabis sativa L.): theory and evaluation. Eur. J. Agronomy 28, P. 90 – 102.

AMADUCCI, S.; ZATTA, A.; PELATTI, F.; VENTURI, G. (2008) Influence of agronomic factors on yield and quality of hemp (Cannabis sativa L.) fibre and implication for an innovative production system. Field Crops Res. 107, P. 161 – 169.

AYRE, B.G. (2010) The flowering hormone-florigen: a protein hormone. In Davies, P.J. (Ed). Plant hormones. Biosynthesis, Signal Transduction, 3rd Edition P. 539 -548. 

BERTOLI, A.; TOZZI, S.; PISTELLI, L.; ANGELINI, L.G. (2010) Fibre hemp inflorescences: from crop-residues to essential oil production. Ind. Crops Prod 32,

COSENTINO, S.L.; TESTA, G.; SCORDIA, D.; COPANI V. (2012) Sowing time and prediction of flowering of different hemp (Cannabis sativa L.) genotypes in southern Europe. Industrial Crops and Products, Volume 37, Issue 1, P. 20-33. 

RIBAS, K.C.Z. (2013) Fotomorfogênese. Grupo de Estudo e Pesquisa em Estaquia, Universidade Federal do Paraná, PP. 35. 

SETIYONO T. D. et al. (2007) Understanding and modeling the effect of temperature and daylenght on soyben phenology under high-yield conditions. Fild Crops Research, v. 100, P.257 – 271. 

TAIZ, L. & ZEIGER, E. (2006) Plant Physiology. Sinauer Associates, Inc, Publishers, PP.  705. 

TRICÂNICO S. (1949) Causas da floração. Anais de E.S.A. Luiz de Queiroz, PP. 18.

legalização da maconha

Deixar uma resposta