CBD e THC: entenda as diferenças e efeitos colaterais de cada um

Apesar de já terem encontrado mais de 120 canabinóides na Cannabis, os mais abundantes e mais pesquisados são CBD e THC, justamente pelas suas propriedades terapêuticas ao atuarem no Sistema Endocanabinoide.

Mesmo sendo compostos da mesma planta, há diferenças entre CBD e THC importantes de se conhecer, tanto para quem faz uso social da cannabis, mas principalmente para aqueles que fazem uso medicinal da planta. Isso porque elas possuem eficácias diferentes para patologias diferentes. 

Acompanhe o texto até o final para entender as diferenças e efeitos colaterais do CBD e THC, além de outras curiosidades sobre esses canabinóides. 

Como CBD e THC atuam no Sistema Endocanabinoide

O Sistema Endocanabinoide é um complexo sistema sinalizador vital, responsável por regular uma variedade de funções corporais, como dor, apetite, humor, memória, resposta imunológica, sono, entre outras. 

A ação fisiológica do CBD e THC (canabinoides) é semelhante à dos endocanabinoides, aqueles produzidos pelo próprio corpo. Assim, eles estimulam não só os receptores canabinoides, mas uma série de outros receptores fundamentais para o bom funcionamento do organismo. 

Decisão da ONU sobre a cannabis

Cada canabinoide, independente da origem, tem uma especificidade em relação a qual receptor pode ativar – ou inativar. Por isso a escolha da composição de um produto medicinal à base de cannabis deve ser feita com cautela e por um especialista. 

As propriedades psicoativas foram associadas por muito tempo somente ao THC, por ser responsável pela famosa “euforia” que a planta causa. Porém, o CDB também possui psicoatividade, pois atua no sistema nervoso central. Mesmo semelhantes, o impacto que cada um causa no corpo e os efeitos terapêuticos são diferentes. Vamos ver cada um deles a seguir. 

CBD e THC são encontrados em maiores quantidades nas flores da planta. Esses dois compostos apresentam-se em proporção variada, definida a partir das informações genéticas de cada planta e dos estímulos ambientais do cultivo. Isso significa que é possível encontrar plantas com diferentes concentrações de canabinoides. 

As plantas utilizadas para uso social costumam ter mais concentrações de THC. Porém, há plantas que foram desenvolvidas, através de cruzamentos e seleções, para tratar condições clínicas e por isso apresentam níveis maiores de CBD em sua composição. A concentração de THC pode chegar a cerca de 30% do peso seco de suas inflorescências, enquanto a concentração de CBD fica geralmente entre 20% em peso seco. 

CBD

O CBD (canabidiol) possui propriedades anticancerígenas, anti convulsivas, antipsicóticas, antiespasmódicas, imunossupressoras e neuroprotetoras. O canabidiol também se destaca pela segurança, já que estudos comprovam que o CBD de forma bem administrada é seguro em humanos e animais. 

Com isso, o uso de óleos de CBD se popularizou ao apresentar eficácia terapêutica no tratamento de pacientes com epilepsia refratária, ansiedade, dores neuropáticas e doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla, o Parkinson e o Alzheimer. Além disso, o canabidiol também pode ser usado no tratamento de doenças mentais, já que ele induz efeitos semelhantes aos antidepressivos. 

Mercado canábico medicinal

THC

A fama de vilão do THC (tetrahidrocanabinol) não surgiu só por conta de seus efeitos psicoativos, mas por estar relacionado diretamente ao uso adulto, que ainda é um tabu na sociedade. Acontece que esse canabinoide também tem grande potencial terapêutico. 

O composto pode tratar anorexia, espasticidade, glaucoma, asma, doenças autoimunes e inflamatórias, além de proporcionar alívio para o estresse e tratar a depressão. O THC também pode ser usado para reduzir sintomas, como dores, vômitos e náuseas, sendo usado no tratamento de câncer e AIDS, já que pode atenuar os efeitos adversos da quimioterapia. 

mitos-cultivo-de-cannabis

Assim como o CBD, seu consumo deve ser controlado, já que consumi-lo em altas doses pode surtir efeitos indesejados, como euforia, vertigens e outros. Esses efeitos são passageiros e não existe na literatura médica nenhum registro de morte por overdose de cannabis. O tetrahidrocanabinol também é contraindicado para gestantes, lactantes, adolescentes, crianças e pessoas que operam máquinas ou vão dirigir. 

As diferenças entre CBD e THC estão, principalmente, nos seus efeitos no organismo quando atuam dentro do Sistema Endocanabinoide. Porém, a sinergia entre todos os compostos tem demonstrado mais eficácia nos tratamentos do que o uso isolado das substâncias. Quando usados com acompanhamento médico, esses medicamentos podem salvar vidas e acelerar o tratamento de milhões de pessoas

Deixar uma resposta