Cannabis medicinal: 8 mitos e verdades

Quando o assunto é maconha, é comum ouvirmos um bocado de mitos por aí.

E nem a Cannabis medicinal consegue fugir deles, viu?

Por ainda ser um assunto polêmico, muitos tabus cercam o tema e, com eles, algumas inverdades são fortemente disseminadas.

Mas estamos aqui para te ajudar a não cair em narrativas tendenciosas, te apresentando mitos e verdades sobre os medicamentos canábicos.

Bora nessa?

Cannabis medicinal: mitos e verdades

1. Não há fundamento científico sobre os efeitos medicinais da Cannabis

Um dos mitos que mais se ouve por aí sobre a Cannabis medicinal é que ela não possui estudos científicos o suficiente.

Mas os estudos sobre o tema são inúmeros e ocorrem ao redor do mundo desde o século passado.

Elencamos algumas das pesquisas mais relevantes sobre a Cannabis medicinal aqui no blog e basta dar um Google sobre o assunto para acessar diversas outras.

E vale lembrar que o Brasil tem a maior produção científica sobre canabidiol no mundo!

Por dentro de uma plantação de maconha: caso Fundação Daya, no Chile

2. A Cannabis medicinal deixa chapado

Esse é um mito dos grandes, muito disseminado por quem não entende da Cannabis medicinal.

O medicamento é, muitas vezes, produzido com baixas doses de THC, que é a substância psicoativa da maconha.

Sem ele, não se fica chapado.

Mas vale lembrar: o THC não precisa ser recriminado por isso, afinal, também possui diversos efeitos terapêuticos quando em baixas concentrações.

Então, pode avisar a família, os efeitos da Cannabis medicinal não são os mesmos de um baseado.

3. Somente o CBD possui propriedades medicinais

Apesar de ser o mais aproveitado no meio médico, o CBD não é o único benefício da Cannabis medicinal.

Existem inúmeros outros canabinóides com efeitos terapêuticos, inclusive o THC, como citado anteriormente.

O CBG (Cannabigerol) é um deles, que pode atuar na regulação de funções corporais como apetite, sono, humor e sistema imunológico.

Outro exemplo é o CBN (Cannabinol), que vem atraindo olhares da comunidade médica por seus efeitos no sono.

A maconha possui mais de 140 fitocanabinoides e estes são apenas alguns dos que oferecem efeito terapêutico.

4. O CBD não produz efeitos colaterais

Se, por um lado, há quem só veja pontos negativos da maconha, por outro, há quem só veja coisas boas.

Mas é preciso estar consciente: a Cannabis medicinal oferece tratamento para diversos problemas, mas pode, sim, apresentar efeitos colaterais.

Quando comparados com outros medicamentos, eles são mínimos. 

No entanto, se o CBD é consumido com outro fármaco, os efeitos adversos podem ser potencializados e se tornam perigosos.

Por isso, o seu uso não deve ser desorientado!

Hempreender é uma questão de atitude!

5. A Cannabis medicinal pode aumentar a criminalidade

Isto não passa nem perto de ser verdade.

Muito pelo contrário, estudos mostram que a legalização da Cannabis medicinal ajuda a reduzir a taxa de criminalidade!

Mais uma vez, a descriminalização da maconha pode vir como solução para um grande problema social.

6. O uso da Cannabis medicinal pode causar overdose

Este é um mito muito fácil de ser combatido, afinal, o número de pessoas que teve overdose após uso da Cannabis medicinal é ZERO!

Pois é, não há sequer uma morte que tenha sido registrada por overdose após utilização de maconha.

Até porque compostos similares aos da planta são produzidos pelo corpo humano e, além disso, a quantidade de canabinoides necessária para causar morte por overdose é humanamente impossível de ser consumida.

7. A Cannabis medicinal estimula o uso de outras drogas

“A maconha é a porta de entrada para outras drogas”, quem aí está cansado de ouvir isso?

Nem a Cannabis medicinal escapa deste mito.

Não há nenhuma evidência de que medicamentos à base de maconha se correlacionem com o aumento do uso de outras drogas.

Pelo contrário, existem pesquisas que indicam que o Canabidiol pode ser um excelente aliado no combate ao uso abusivo de drogas.

Legalização na América Latina: entenda porque tantos países estão mudando a legislação

8. Somente adultos podem fazer uso da Cannabis medicinal

As evidências por trás da Cannabis medicinal mostram que ela é eficaz no tratamento de inúmeras doenças e transtornos.

Por isso, e por quase não existirem contra-indicações, ela pode ser tanto de uso adulto, quanto pediátrico.

Exemplos de uso em crianças são no tratamento de epilepsia, autismo, câncer e diversos outros. 

Agora, você já tem argumentos e fontes confiáveis para combater a desinformação sobre a Cannabis medicinal!

O conhecimento é a melhor forma de enfrentar o preconceito e caminhar cada vez mais em direção à legalização da maconha.
Conheça os nossos projetos e soluções e faça parte desse movimento!

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.